Noticias   Liga/Liga Europa   Modalidades   Universo Leonino   Temas Reflexão   Participe   Fundação Aragão Pinto
VOLTAR
   
POEMAS

scp304 1. Poema do Centenário ( por José do Carmo Francisco)

Poema do centenário

Ainda reinavam os príncipes e os reis
Ainda sorriam as princesas e rainhas
Naquele ano de mil novecentos e seis
Tu Sporting sabias bem ao que vinhas

Vinhas do Campo Grande e de Belas
Para chegar à Europa e a todo o Mundo
P
ara dar ao Desporto as novas estrelas
Fazendo ouvir o teu grito tão profundo

Dum leão que saltou dos emblemas
Para correr nas pistas e nos relvados
A derrotar opositores e problemas
Que ficam vencidos e ultrapassados

Mesmo nos campeonatos pequeninos
Ouve-se na cabina uma suave melodia
É a música já eterna dos cinco violinos
Não morreu e nasce de novo a cada dia

Há quem corra veloz ou devagarinho
Para chegar cedo à meta da verdade
Como Lopes, Mamede ou Agostinho
Estradas do campo, pistas da cidade

E mesmo quando surgem desgraças
E aquelas derrotas mais imerecidas
Aparece logo uma Taça das Taças
A dar novo sentido às nossas vidas

Clube que pratica estes desportos
Entre tantos países e tantos povos
Sente que são os velhos e os mortos
A força que empurra os mais novos

Há quem veja as coisas ao contrário
Mas ele que é antigo e tão moderno
No ano de celebrar seu centenário
Já sabe que nasceu para ser eterno

José do Carmo Francisco 

José do Carmo Francisco é escritor e jornalista e queremos agradeçer a sua colaboração neste site. 


scp304  2. Com que então caiu na asneira…..? ( por Rui Morais Gaspar de Carvalho)

Ao meu filho Bruno pela sua dedicação às causas que abraça:

Com que então caiu na asneira…..?

Não cai n’asneira que faz
cem anos longos e belos! 
Não cai 
quem, com mil desvelos,
entra na festa e é capaz
de lhe dar mais vida e cor
Não cai 
quem, com muito amor,
ateia a chama da conquista 
na alma sportinguista 
p’rá tornar ‘inda maior

 
centenáriosporting, copyright @2007.Todos os direitos reservados|webdesign by deepdesign